Foi apresentada à Assembleia Legislativa na tarde desta sexta-feira (31), e posteriormente enviada ao Executivo Estadual, uma solicitação do deputado estadual e pré-candidato a prefeito de São Luís, o Dr. Yglésio (PROS), na qual sugere a publicação de um novo decreto adiando o retorno às aulas da rede privada de ensino como forma de aumentar o controle do Estado sobre a pandemia do novo coronavírus.

A solicitação do deputado, que também foi enviada à prefeitura de São Luís, se dá em face ao crescente índice de contaminação no Estado, este que hoje é um dos estados brasileiros que apresenta indícios de uma segunda onda da doença.

“O governo do Estado adiou o reinício das aulas, mas o que nos causa estranheza a prefeitura e o Governo do Estado não terem decretado o adiamento, também, da rede privada de ensino na capital, pois o índice de contaminação por covid-19 tem aumentado e isso mostra que o momento ainda não é o mais adequado para que nossos alunos estejam em sala de aula”, disse o deputado. “A rede pública não vai voltar às aulas agora e a rede privada deveria seguir o mesmo caminho”, completou.

A decisão mais recente de adiamento das aulas da rede estadual foi divulgada pelo governo, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), nesta terça-feira (28), após uma pesquisa de opinião com os pais dos alunos. O resultado apontou que 58% dos pais dos alunos são contra o retorno, que seria no dia 10 de agosto, contra 42% daqueles que não viam problema algum.

Este é o 5º adiamento que o Governo do Estado decreta em relação ao retorno às aulas no Maranhão, mas deu autonomia aos municípios e à rede privada para voltarem às aulas quando acharem conveniente.

Tecnologias de educação

Recentemente, o deputado desenvolveu um projeto que dá aos alunos da rede pública de ensino acesso a plataformas como o Google Classroom e o Microsoft Teams utilizando seus dispositivos móveis, sem que eles gastem com isso.

“De acordo com o nosso projeto, o governo faria uma parceria com as operadoras de telefonia móvel para que o acesso dos alunos às plataformas de EaD fosse gratuita, assim como ocorre com o WhatsApp quando contratamos um determinado plano, por exemplo”, explicou o parlamentar.

O deputado ainda destaca que esse tipo de projeto pode dar às escolas a oportunidade de continuar com seus trabalhos, mesmo que à distância, além de proporcionar aos alunos da rede pública maior facilidade para estudar, além de continuar com o distanciamento social recomendado pelas autoridades sanitárias.