O pedido foi reforçado na Sessão Plenária de hoje (15), durante discurso do deputado estadual, no qual disse que vem conversando com os demais parlamentares para que sejam destinadas emendas à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – Apae, com o objetivo de viabilizar a substituição do tomógrafo que, como ressaltou o parlamentar, ‘é um equipamento antigo’.

“A gente tem conversado com os colegas deputados pra que a gente possa fazer uma união pra que possa substituir esse tomógrafo no ano que vem, com a destinação de um pequeno recurso das emendas parlamentares para 2021”, disse o deputado.

Ainda durante o discurso, Yglésio Moyses (PROS) disse que o valor que cada deputado contribuirá será de até R$ 25 mil, que possibilitará à Apae adquirir um equipamento que atenda às necessidades da instituição para promover um atendimento adequado aos pacientes, os quais precisam de suporte médico oferecido pela unidade.

Na manhã de hoje (15), o parlamentar esteve presenta na unidade da Apae em São Luís para conhecer as instalações e as principais necessidades da instituição.

Essa movimentação do parlamentar relembra outra ação semelhante liderada por ele, mas em relação ao Hospital Aldenora Bello, no ano passado. Com um compromisso dele e de todos os demais deputados em destinarem um montante de R$ 100 mil cada, a instituição de tratamento do câncer recebeu um total de R$ 4,2 milhões em emendas parlamentares, que foram utilizadas para melhor atender a comunidade e promover melhorias estruturais no hospital.

A Apae

A Apae de São Luís é uma instituição que presta grande volume de serviços à comunidade, mas, como pontuou o deputado, enfrenta uma série de dificuldades, sendo a financeira a principal delas. “Hoje, a Apae tem um custeio na ordem de R$ 1,7 mi, aproximadamente, tendo um déficit mensal em torno de R$ 300 mil que é suprido a muito custo com doações, com captação de recursos da iniciativa privada, principalmente, através de pessoas, mas de pessoas físicas, principalmente”, relatou.

Yglésio disse, ainda, que a dificuldade financeira prejudica o andamento de projetos dentro da instituição, a exemplo do próprio tomógrafo destacado por ele no discurso realizado na Sessão Plenária de hoje. “Há uma série de projetos em andamento: o ensino de jovens e adultos, (…) a reforma do ginásio e a construção do auditório, melhoramento do parque de equipamentos de reabilitação da instituição e, principalmente, do tomógrafo que é um tomógrafo antigo”, concluiu o deputado.