Nesta terça-feira (25), às 19h, será realizado um debate com mães da região da Vila Luizão sobre o PAPI. A reunião tem o objetivo de promover uma conversa entre o pré-candidato a prefeito de São Luís e deputado estadual, o Dr. Yglésio (PROS), com as mães da comunidade para que, a partir disso, possa fortalecer o Programa de Apoio à Primeira Infância, o PAPI.

O programa consiste na transferência de renda de até R$ 200 para as famílias com crianças de 0 a 6 anos de idade, além de oferecer cursos profissionalizantes às mães.

O Alto da Esperança foi a primeira comunidade onde o PAPI foi apresentado às mães e logo teve um grande apoio positivo por parte delas. Este será o segundo encontro realizado pelo Yglésio nas comunidades carentes de São Luís, tendo o primeiro ocorrido no último sábado (22).

“A gente tá percorrendo a cidade em pequenos encontros nas comunidades mais carentes pra levar o PAPI ao conhecimento daqueles potenciais beneficiários. As mães têm um papel essencial no cuidado com os filhos e como a gente também quer cuidar das pessoas, promovemos esses encontros pra debater e ouvir o que elas têm a agregar ao projeto”, disse o pré-candidato. “Já fomos no Alto da Esperança, conversamos com as mães de lá e hoje é a vez da Vila Luizão”, completou.

O pré-candidato está dando início ao processo de percorrer por várias comunidades da capital para divulgar seu novo projeto voltado para a primeira infância. O evento é pequeno e seguirá os protocolos sanitários para preservar a saúde de todos, inclusive, das mães que é o público da reunião.

PAPI

O programa é focado na camada mais carente da população ludovicense, principalmente as crianças, além de potencializar a qualidade de vida da primeira infância incentivando o acesso à saúde e à educação, com o objetivo da luta contra a fome e a pobreza que, infelizmente, são duas realidades presentes na cidade mais desenvolvida do Maranhão.

Este programa foi desenvolvido em cima de um problema histórico na cidade de São Luís, um ciclo vicioso em que as crianças não têm a assistência adequada nos primeiros anos de vida e acabam sendo prejudicados, na fase adulta, com a falta de emprego, renda, saúde e outros.